Campanhas Sociais Dia a dia Universitário Entidades

Conhecendo uma Comissão de Acolhimento: Chama as Mina FEA USP-RP

Conheça a Comissão Chama as Mina

O Chama as Mina é uma comissão de Acolhimento, Conscientização e Orientação da Atlética FEA-RP USP e é formado por atleticanas e ex atléticas. Primeiramente, o trabalho da comissão é atuar, seja com acolhimento, orientação ou conscientização, em casos de assédio, abusos, violência de gênero, racismo, lgbtfobia e demais violências discriminatória que ocorrem no ambiente universitário – festas, repúblicas, sala de aula, etcs. 

E como ela surgiu?

A Comissão foi criada em meados de 2016, após o surgimento de uma página chamada “Ele é da USP”, onde as pessoas faziam relatam abusos ou violências sofridas no meio universitário (estilo dos exposeds atuais).

Muitas denúncias estavam estavam ligadas direta ou indiretamente à FEA-RP, fazendo com que um grupo de mulheres da Atlética se organizasse para discutir o assunto e pensar como poderíam mudar essa realidade. A ideia principal era tornar o ambiente das festas organizadas pela Atlética FEA USP-RP e os ambientes frequentados por feanas mais seguro e acolhedor para todas as pessoas. Assim, nasceu a comissão: a primeira atuação foi no Churras da FEA que ocorreu em novembro de 2016.

Qual é o principal objetivo de uma Comissão como o Chama as Mina?

O principal objetivo da Comissão é fazer com que todas as pessoas, independente de gênero, raça, orientação sexual, condições físicas,  se sintam confortáveis em frequentar as festas organizadas pela Atlética e também que tenham uma boa experiência universitária de forma geral, seja na faculdade, na sala de aula ou nas repúblicas. 

O que é feito para alcançar esse objetivo?

O Chama as Mina busca acolher da melhor forma possível, caso alguém passe por alguma situação de violência, e também conscientizar o ambiente em relação às temáticas sociais.

Para isso, atualmente o trabalho é dividido em 2 frentes de atuação: Projetos e Acolhimento que, dessa forma, contempla os pilares da Comissão: Acolher, Orientar e Conscientizar. 

1. Projetos

 

Em projetos, o trabalho é focado principalmente com conscientização. Esse trabalho é feito através de desenvolvimento de conteúdos informativos que são disponibilizados e discutidos nas redes sociais da Comissão e também da Atlética (facebook e instagram). 

Além disso, existem ações físicas, no mural que a Atlética possui na FEA-RP, e nas reuniões gerais da entidade, em que existem debates com há participação de todos os membros.

      • Redes Sociais

Post de redes sociais - Chama as Mina

Nas redes sociais a Comissão trabalha com conteúdo informativo, que visa levar ao público universitário, a entender e refletir sobre questões sociais bem como incentivar a mudança de comportamento. 

Algumas das publicações possui temática fixa, como por exemplo as “Dicas das Mina”; quadro semanal feito durante as férias onde são compartilhadas dicas de filmes, livros, séries, podcasts que tratem de temas discutidos pela comissão. 

Também há campanhas e posts em datas comemorativas/marcos históricos como por exemplo mês do “Orgulho LGBT+”, “Dias das mulheres”, etcs.

 

      • Trabalhos com a Gestão

Trabalhos com a Gestão

Com os membros é realizado um trabalho desde a entrada dos novos membros. Faz parte do regimento interno da Atlética que comportamentos machistas, lbgtfóbicos, racistas e discriminatórios não são aceitos e são passíveis de expulsão da entidade.

Somado a isso, durante todas as reuniões gerais semanais, um tema é apresentado para os membros. Nesse sentido, visam um alinhamento geral de qual é o comportamento ideal e esperado para um membro da entidade.
Alguns exemplos de temas recentementes discutidos em reunião são: história do movimento negro no Brasil, Mês do Orgulho LGBT+, Como se comportar caso presencie casos de violência e abusos.

2. Acolhimento

Acolhimento

Já em Acolhimento, 2 pilares são trabalhados: Acolher e Orientar.

O acolhimento consiste em receber e acolher denúncias e vítimas de violência. Já a orientação é feita com as vítimas de violência, pessoas que denunciam casos e também com agressores identificados.

Ambos trabalhos são realizados tanto dentro das festas da Atlética quanto no dia a dia da Comissão. Nas festas, a Comissão possui um “ponto fixo” local onde algumas mulheres da comissão ficam disponíveis para receber denúncias e acolher pessoas que passaram por algum tipo de violência durante o evento. As integrantes se dividem em escalas de “ronda” e ficam observando o comportamento das pessoas e agindo, caso algo saia do padrão de normalidade e algum tipo de violência seja percebido.

Integrantes

Todas as integrantes estão sempre identificadas por uma coroa de flores azuis na cabeça e em festas noturnas com o um colar pisca-pisca também.

O acolhimento sempre é focado em atender a pessoa denunciante e que sofreu violência, oferecendo o suporte necessário para o momento. Seja ele apenas ter uma conversa, seja ir para casa ou fazer uma denúncia formal em uma delegacia e/ou para a Universidade.

Orientações do Chama as Mina

Nesse momento entra o trabalho de orientação, que busca, no caso das vítimas, orientá-la sobre tudo que ela tem como direito e todas as ações que podem ser tomadas contra o agressor.

O mais importante desse trabalho é manter a vítima/denunciante em segurança e mostrar que ela tem como quem contar, caso precise de auxílio além desse momento na festa. 

Da mesma forma, com os agressores/denunciados é feito um trabalho de orientação, sempre com autorização e consentimento da vítima/denunciante. De forma geral, isso é feito através de uma conversa com a pessoa, buscando orientá-la e reforçar que comportamentos abusivos e discriminatórios não são tolerados!

As próximas ações são definidas após a festa e levam em consideração diversos fatores. Seja o ato que levou a denúncia, a recorrência de comportamentos indevidos, segurança e vítima e dos frequentadores das festas no geral.

Sempre que há consentimento da vítima, o agressor/denunciado é notificado. Seja para informar que o mesmo está em “observação” pela comissão, seja que ele está proibido de frequentar festas por determinado período. Além disso, é oferecido a ele uma conversa com a Comissão, onde é feito um trabalho de orientação e conscientização.

O que você já ouviu por ser mulher no mundo de negócios?

Agora mudou o quadro! Em mais um cenário de Economiadas Caipira, nós mulheres, valentes e guerreiras, diante de todo esse machismo no mundo dos negócios, decidimos mostrar que nossa voz grita NÃO. Não pra mostrarmos que não vamos aceitar que homens definam o nosso lugar. Não vamos aceitar que uma sociedade machista dite como devemos viver. Não vamos aceitar que temos funções definidas por sermos mulheres. Não vamos aceitar que valemos menos que eles.Somos mulheres, donas dos nossos corpos e das nossas vontades.Não importanto onde, nem em qual área e nem qual esporte. Não estamos confusas. Não te perguntamos nada!Em parceira com a Tikutuko, a comissão Chama As Mina criou esse vídeo em homenagem a todas feanas e, principalmente, em homenagem a todas essas mulheres que defendem nossa faculdade dentro de quadra. Estamos aqui para mostrar, mais uma vez, que decidimos não nos calar e que nunca nos calaremos. Gostaríamos de agradecer a letra à Silvia Duffrayer e à Doralyce, a voz à Vitoria Olivier, e às mulheres que participaram da construção do vídeo, além da FORÇA DE TODAS AS MULHERES que colaboram para nossa LUTA DIÁRIA. Juntas somos mais fortes.

Posted by Chama As Mina on Monday, May 28, 2018

Faça acontecer!

Em suma, agora que você conheceu mais a fundo a Comissão Chama as Mina, por que não evoluir seu ambiente universitário e ter um trabalho como este? 

Faça acontecer! Conte com a nossa ajuda nessa luta! 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *